Rio de Janeiro

Temporada 3 – Brasil

canal de Suez

ETAPA 1 – Rio de Janeiro

  • SMS01  -14/04 – Depois de quebrar o caixa da PokeGeo me hospedando no Hotel Cataract no Egito, entramos em sérias contenções de gastos. Em um encontro com os diretores do Blog decidimos adiar a próxima expedição devido a crise econômica global. É uma pena, claro. Mas consegui licensa para usar o nome PokeGeo e viajar aqui mesmo, pelo Brasil. Meu primo Fernando estava ocupado demais com eliminatórias nacionais clubes pokemons, então fui atrás de outras companhias para viajar. Claro que até agora não tive resposta de ninguém, então aguardo pra ver no que dá… cuido de meus pokemons e estudo as rotas de viagem. Acredito que vai ser interessante mostrar um lado brasileiro que a maioria das pessoas não estão acostumados, e como tudo isso se envolve com os pokemons.
  • SMS02 – 15/04 – Falei com outros primos meus ao telefone, contei sobre a expedição que gostaria de fazer pelo Brasil, e expliquei q deveriamos viajar por conta própria. Pedro, meu primo que trabalha com produtos de alimentação pokémon disse que está interessado em viajar, mas que precisa organizar a agenda. Pelo menos defini a primeira etapa da viagem. Rio de Janeiro. ^^.
  • SMS03 -16/04 – Fiz uma reunião com meus primos hoje a noite, acertamos de viajar para o Rio de Janeiro. Pedro, um primo meu que lida com venda de produtos alimentícios para pokemons, Paula, que administra uma escola de treinadores pokemon, e Rodrigo, ou como é conhecido, Digão, que dá acessoria técnica para fábricas de pokedex. Ao longo da aventura espero conhecer melhor os pokémons deles, mas por enquanto nos limitamos a decidir como vamos viajar com a $ curta. Acho que vamos de carro até São Paulo, e pegar a ponte aérea Rio-São Paulo. O problema ainda é o local onde vamos deixar o carro… mas estamos entrando em contato com amigos nossos lá de Sampa.
  • SMS04 – 17/04 – Recebi uma SMS do meu primo Pedro, e a viagem está acertada. Vamos de carro até São Paulo Capital, deixamos o carro na casa de um tio dele que estará nos aguardando, pegamos o avião até o Rio de Janeiro. Vai ser uma semana interessante. Snorunt está pulando em minha cama de tanta alegria… telefonei para um conhecido meu lá no Rio de Janeiro e o informei de nossa viagem, e ele disse que tinha uma surpresa para mim assim que chegássemos lá. Então agora é arrumar as malas, celular em mãos, pokedex pronta, e poke-bolas a postos. A estrada nos aguarda.
  • SMS05 18/04 – Seguimos para São Paulo, e pegamos um avião para a cidade do Rio de Janeiro. Infelizmente no momento do embarque fui barrado pela segurança por carregar um canivete na mochila. Fazer oq… fui obrigado a me desfazer de meu canivete de estimação para embarcar no avião. Chegamos lá pela manhã, as 10 horas, e logo seguimos em direção a nosso modesto hotelzinho em Copacabana. ^^ Agora estou desfazendo as malas, e ficaremos hospedados em duplas, eu e Digão, e Paula com Pedro. Em breve ligarei para meu conhecido aqui, para descobrir o que ele tem programado.
  • SMS06 – Liguei para meu querido amigo Nascimento, e ele me disse que tinha um programa diferente para eu e meus primos fazermos. “Mão vai pensando que é um programa turístico qualquer…” ele comentou ao telefone. Paula ficou com um pouco de receio, mas após o almoço eu disse que iriamos encontrá-lo. Logo que chegamos no Rio ja notamos wingulls voando sobre o mar. Impressionante também a quantidade de pessoas passeando com cães pelo calçadão da avenida Atlantica. Tudo muito bonito.
  • SMS07 – Assim como Nascimento recomendou pegamos um táxi até um prédio grande que ficava próximo ao centro da cidade. Eu e meus primos decemos e ficamos aguardando no ponto de encontro, uma lanchonete. Agora estou tomando coca-cola enquanto esperamos.
  • SMS08 – Foi um dia interessante e surpreendente, vendo coisas que certamente a maioria dos brasileiros não conhece. Nascimento chegou para nos pegar com um veículo blindado da polícia, pois como comandante de operações do BOPE (Batalhão de Operações Pokemon Especiais) ele tem acesso a todo o arsenal contra os traficantes. Entramos no carro e rapidamente ele nos guiou até o complexo de treinamento do grupo, nos apresentando a academia e alguns soldados. Ele nos contou que o BOPE tem operado com sucesso no combate ao crime organizado e trafico de drogas nos morros cariocas devido ao grau de especialização do grupo e tecnologia empregada. Por fim, no convidou para nos hospedarmos na academia e vivenciar um pouco da vida de soldado. Digão ficou meio receioso, mas como todos nós aceitamos ele não teve muita escolha.
  • SMS09 – 19/04 – Fomos acordados muito cedo, as 6:00 da manhã. Confesso que não dormi bem graças a falta de adaptação com o ambiente, e me parece que meus primos tiveram o mesmo problema. Foi um dos sargentos do centro de treinamento que nos acordou, dizendo que era a hora certa para conhecermos a divisão blindada do BOPE. nos vestimos rapidamente e saímos no pátio, e para nossa surpresa um grupo de cinco Aggrons estavam dispostos em formação junto com os soldados. Nos sentamos ao lado, em um banco para ver o exercício que o grupo faria. Foi interessante assistir, e a manhã passou rapidamente, enquanto os soldados usavam os pokemons de metal como escudos e corriam entre containers que simulavam as ruas apertadas de uma favela. Nascimento chegou mais tarde, e disse que os Aggrons agem como escudos móveis, muito eficientes nos morros, podendo chegar onde veículos blindados não conseguem acesso.
  • SMS10 – Ao fim do treinamento, Nascimento nos conduziu por um tour pelo complexo militar, e disse que é complicado treinar pokemons militares. Cada aggron vale muito dinheiro graças ao tempo de treinamento que eles recebem, começando quando ainda são apenas Arons. Paula, que trabalha e administra uma escola, ficou impressionada com a diciplina do treinamento e com o rigor com que os pokemons obedeciam as ordens. “Durante o combate real não pode haver hesitação, o pokemon e o soldado devem agir em sincronia. Cada instante perdido sob fogo inimigo pode ser crucial. É por isso que o treinamento diário se faz necessário, e é por isso que o BOPE é um grupo pokemon militar brasileiro reconhecido no mundo todo.
  • SMS11 – Ao fim do dia estavamos exaustos. Acompanhar o treinamento do Bope foi de longe uma experiência única. enquanto estavamos em nossos dormitórios, eu e meus primos, um sargento apareceu avisando que acordaríamos cedo no dia seguinte para acompanhar uma operação de campo. Bateu a tensão na galera… será que Nascimento nos levaria mesmo junto de uma operação real no morro carioca?
  • SMS12 – 20/04 – Acordamos de madrugada e Nascimento veio nos chamar para uma viagem de helicóptero por sobre o Rio de Janeiro. Deu frio na barriga quando a aeronave decolou, mas ele disse para ficarmos tranquilos, pois começariamos vendo a operação de cima. Escoltando o helicóptero voavam conosco dois Crobats treinados pelo Bope. “Crobats são muito eficientes em detectar ameaças a noite“. – Disse o Cap. Nascimento. Segue em anexo uma foto que fiz de nossa escolta da madrugada. Ao fundo é possível ver o sol nascente.

  • SMS13 – Foi um pouco assustador sobrevoar a cidade de madrugada, principalmente com a porta do helicóptero aberta e com o Cap. Nascimento sentado quase pra fora segurando um fuzil. Mas foi tudo muito seguro. Nós sabiamos que lá embaixo, muito longe, os Aggrons e os soldados estavam fazendo uma incursão no morro, e que o perigo era óbviu para eles, mas do helicóptero, fazendo uso de visão noturna, Cap. Nascimento dava orientações aos soldados dizendo de onde vinha o perigo, e qual melhor rota tomar. Foi aí que percebi outra arma pokémon do BOPE…
  • SMS14 – Junto com os times de assalto que subiam o morro haviam Natus que recebiam informações diretas de um Natu que estava ao lado do Cap.  Nascimento. O cap. Nascimento pensava, seu Natu interpretava seus pensamentos e telepaticamente repassava as ordens aos Natus que acompanhavam os times de assalto. Tudo em tempo real, instantaneamente, sem risco de interferência, sem risco de interceptação. Toda a equipe se movia como uma criatura viva e única, sincronia perfeita. Como o trafico de drogas e o crime organizado ainda existe com uma equipe dessas na ativa? Boa pergunta né…
  • SMS15 – 21/04 – Acordamos cedo para fazer um pouco de turismo convencional, e Pedro e Digão estavam entusiasmados para conhecermos o morro do Pão de Açucar e andarmos no bondinho suspenso. Por sorte nosso taxista era muito legal, seu nome era Vieira e nos levou até lá, prometendo nos esperar o tempo que for necessário. Agora estamos no alto do Pão de Açucar, e Pedro resolveu deixar seu pokémon sair da pokebola e passear por aí. O pokemon dele é um Swellow lindo, e voou com facilidade ao redor do morro. É impressionante o movimento de turistas que  vão e vem aqui no alto, e como todos se respeitam e se divertem.
  • SMS16 – 22/04 – Logo pela manhã Nascimento me telefonou para irmos até o quartel do BOPE, e disse que teriamos outra surpresa. Quando chegamos lá ele disse que um de nóis teria a honra de batalhar contra ele. Ficamos paralisados por um instante, mas logo a decisão do grupo foi unanime. Como eu sou o único membro oficial PokeGeo da expedição, caberia a mim participar da batalha.
  • SMS17 – Chegando lá toda a equipe do BOPE nos esperava ansiosos pela batalha amistosa (que não parecia tão amistosa assim). Nascimento apertou minha mão e disse que seria uma honra batalhar contra um expedicionário PokeGeo. Claro que a honra era minha, pois batalhar contra o BOPE era algo que eu jamais havia imaginado. Me reuni com meus primos para analisarmos as possibilidades de batalha, e resolvi começar com meu Flareon, pois ele seria eficiente tanto contra Aggron, quanto contra Natu. E o primeiro pokemon usado por Nascimento foi um Aggron, gigantesco Oo!… Claro que eu tremi, mas eu e Flareon temos estrada, e mantivemos a calma…
  • SMS18 – Flareon é muito mais rápido que o grandalhão do Aggron, e conseguimos sair na frente atacando com a poderosa onda de calor chamada de “Super Aquecimento”. Uma rajada incandescente que derrubou Aggron com um golpe, deixando a todos (inclusive eu) de queixo caído. De fato Aggron não voltou para a batalha. Venci o primeiro round!!
  • SMS19 – Foi uma delícia de dia, realmente. Depois de derrubar Aggron, meu Flareon caiu no sono graças ao ataque “adormecente” do Natu de Nascimento. Tudo bem, eu mantive a cabeça fria e chamei meu Houndour pra arena. Um ataque rápido e Natu estava fora da batalha, e eu tive uma vitória muito bacana e aplaudida pelos soldados do BOPE. Agora é fim do dia e estamos tomando sorvete sentados em um mirante na Lagoa Rodrigo de Freitas enquanto nossos pokemons correm pela grama e nadam na lagoa. Estou digitando essa mensagem imaginando como uma cidade tão bonita e perfeitamente maravilhosa pode ter uma guerra sendo travada a cada noite, onde morrem mais pessoas por semana que em um comflito poítico armado como a guerra do Iraque. Enquanto vejo Flareon rolando na grama com Houndour e Togepi (o pokemon meigo de minha prima Paula), penso que a felicidade pode ser simples de se conseguir, o difícil é entender que o simples, muitas vezes se esconde em detalhes do cotidiano, como tomar sorvete na beira da lagoa enquanto o sol se põe, olhar pro alto e ver o monte do Corcovado com a estatua do Cristo Redentor no topo. Segue abaixo a foto de nossa turma no Pão de Açucar.

  • SMS20 – 23/04 – Acordamos tarde hj, graças a Deus, e fui com meus primos até a praia de Ipanema onde estava sendo gravada uma das cenas de uma novela das 8, que por um acaso se passa no Rio de Janeiro e toca bossa nova na abertura. Para minha agradável surpresa, a cena envolvia pokémons! O salva-vidas deveria agir rápido para salvar a mocinha que estava se afogando, e para isso tinha a ajuda de um belo Buizel. Estranhamente, buizel não se sentia bem. Agora estamos na praia, muito próximos da equipe de produção, e Buizel parece não obedecer o script da cena.
  • SMS21 – Estavamos na praia acompanhando a gravação de uma cena de novela envolvendo um pokemon, quando uma pessoa da equipe de gravação chamou meu nome. Coincidência ou não, era uma amiga minha que eu havia conhecido em uma viagem para Ubatuba. Ela agora estava trabalhando com a  promoção da novela, e havia me reconhecido. Seu nome é Jéssica e, óbviamente, ela sabia que eu era agente PokeGeo, me chamando para junto da equipe de produção.
  • SMS22 – Jéssica me explicou que Buizel é uma das estrelas da novela, um salva vidas eficiente e conquistador, mas tem andado meio estranho ultimamente, sempre triste e cabisbaixo. Eu não sei dizer por que isso estáva acontecendo, mas minha prima Paula disse para Jéssica que isso acontecia de vez em quando na escola pokémon que ela administra, geralmente quando um pokémon está a ponto de evoluir. Na dúvida, é bom chamar um veterinário para dar uma olhada né…
  • SMS23 – Me despedi de Jéssica no fim do dia, torcendo para buizel melhorar. Quando chegamos no hotel vinos a notícia na TV, que a estrela da novela das 8 não estava muito bem. Entrei no quarto com meus primos e começamos a arrumar as malas. É nossa última noite na cidade maravilhosa, e começo a sentir saudade do som do mar enquanto o Cristo nos olha lá de cima do Corcovado. É facil esquecer da vida aqui, e acreditar estar simplesmente fantasiando ^^. Amanhã pegaremos o avião de volta para São Paulo… e de lá, quem sabe pra onde vamos…
  • SMS24 – 24/04 – Pela manhã fui até o terraço do hotel, de onde tinhamos uma boa vista da praia, e soltei meus pokemons para me fazerem companhia. Flareon e Houndour estavam felizes ainda com a vitória, Bulbasaur com o sol, Snorunt corria atrás de Lairon, que mal cabia no terraço. Tirei o mapa do bolso, imaginando qual seria o melhor destino para a próxima etapa PokeGeo. Eu ja sei que terei de viajar sozinho, pois meus primos não estão livres para mais passeio, e como a grana é realmente curta, planejamento é o segredo para a viabilidade.
  • SMS25 – Agora estou no avião, voltando para São Paulo. Enquanto olho pela janelinha e aprecio o céu, me recordo dos momento legais que passamos no Rio. É sem dúvida uma cidade maravilhosa, e mesmo com toda a violência que vemos na TV e nos jornais, o povo de lá ainda é hospitaleiro e comunicativo. Nascimento foi muito legal em nos permitir conhecer a estrutura do BOPE (batalhão de operações pokemon especiais), e a experiência de acompanhar uma incursão no morro de dentro de um helicóptero foi assustador. Foi o mais perto que cheguei a realidade nua e crua da guerra contra o tráfico, ainda bem. Conhecer os pontos turísticos da cidade foi surpreendentemente agradável. As estruturas para os turistas sempre muito bem planejadas, e a organização impecável. Depois, por fim, foi muito bom encontrar Jéssica, minha amiga, e conversar com ela novamente. São dois lados da mesma moeda, e os pokémons sempre exercem seus papéis na cadeia de relacionamentos. Essa viagem serviu, sem dúvida, para clarear minhas idéias. O Rio de Janeiro Capital sempre esteve tão perto de mim, e é um lugar tão maravilhoso que me questiono por que não venho mais passear aqui. Quantos lugares mais no Brasil são lindos e estão ao nosso redor esperando para serem visitados… Até a próxima etapa pessoal… ^^.

< VOLTA

Etapa 2 – São Paulo >

Anúncios

6 comentários em “Rio de Janeiro

  1. êêêê!!! Guikao resolveu viajar no Brasil!!! Só espero que você passe aqui em Recife, não deixe de mostrar a nossa cultura, nosso carnaval e o povo do Nordeste!!! Minha turma aqui de Recife vive ligada no seu Blog, ninguém perde nenhuma novidade!!
    Ps: Espero q não se importe que eu recomendei a leitura do seu Blog pela minha comunidade do orkut. É q os meninos são tão empolgados querendo ser mestres pokémon q acabam sem saber o q fazer na hora H, e como vc é o melhor criador q eu conheço…
    hehehe

    • Lary, recebi seu recado viu… assim que possível passo aí no Recife. Não sei se consigo levar meus primos comigo, ou se a PokeGeo vai bancar esse translado, mas vou sim. O Nordeste não estava no planejamento original, mas pra que servem os planos se não é prar serem mudados, não é verdade? Graças ao seu convite troquei uma idéia com o departamento comercial da PokeGeo, e vou aproveitar a subida para Minas Gerais e subir mais um pouquinho… ^^ VAMO PRO NORDESTE MENINA!! \O/

    • Rapaaaaz, fiquei um tempão fora (15 dias), mas estou de volta. Tenho muitos projetos aqui no estúdio e está difícil de atualizar o blog com novos trabalhos… mesmo assim, o farei. Voltei da Europa recentemente e não conheço Curitiba ainda, apesar de ter conhecidos por essas terras… adoraria conhecer! quem sabe um dia? =D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s